Caros Leitores

"Sem a curiosidade que me move, que me inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino". A educação precisa tanto de formação técnica e científica, como de sonhos e utopias.
Sejam Bem Vindos!



████████████████████████████████████
████████████████████████████████████
████████████████████████████████████

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Lançamento: Projeto Ambulância da Alegria

Nos primeiros momentos logo quando meu grande amigo Gisley ou seja o Dr. Tom Tom estava me maquiando senti nascer dentro de mim de verdade o Doutor Poow, engraçado que cada pingo de tinta colocado no meu rosto aumentava em mim a responsabilidade de poder levar alegria as pessoas que iriam me assistir, nos últimos segundos antes de eu entrar em cena estava me sentindo bastante calmo, relaxado, tranqüilo não parecia nem que era o meu primeiro trabalho com a Ambulância da Alegria, parecia que eu tinha anos de estrada e que tudo era simplesmente normal, enfim entrei em cena, fiquei frente a frente com o público, ah esqueci de falar a equipe médica da ambulância tinha planejado o que iria apresentar em uma semana, tivemos mais ou menos 3 ensaios e no 3° o ensaio ainda nem rolou direito, me lembro que a equipe médica ficou bastante ansiosa, por varias vezes no ensaio eu procurava uma maneira de trazer o riso, mais ele estava bloqueado, os doutores estavam tensos, acho que naquele hora caiu a ficha ser Doutor da Alegria, é muito mais que levar “alegria” é também transmitir um gesto de carinho, um olhar sincero, uma palavra amiga, um abraço apertado, um momento único de atenção especialmente a um paciente ou idoso em condições de tristeza, desânimo, abandono etc.
De verdade aquele terceiro ensaio não aconteceu e como agente sempre brinca não temos um roteiro a seguir o espetáculo acontece apartir de quando a platéia inicia sua participação e seja de qualquer forma, dando uma boa gargalhada, não rindo, falando algo espontâneo, anotando alguma coisa no papel, comendo sei lá alguma coisa, até mesmo citando um verso, mesmo que seja “Batatinha quando nasce se esparrama pelo chão ...”Então voltando a falar do lançamento entrei em cena comecei fazendo o pinóquio e o Dr. Pepito mexia com o meu corpo em vários sentidos, e o legal é que do jeito que ele me punha eu tinha que ficar, pensa só o tanto que esse Dr. me colocou em várias furadas, em seguida entrei com o Jacaré também chamado Poow apresentando o Circo “Animarrindo” além do objetivo principal que era rir trazíamos uma historia criada por mim Dr. Poow pela Dr.Florisbela e a Dr. Belinha um trabalho voltado para a importância dos alimentos como as “verduras”, o jacaré Poow foi de mais eu lembro que ele perguntou para prefeito por que que eu chamo Poow ? o prefeito não soube responder daí eu disse por que eu faço pooooow no seu nariz e dei lhe uma mordida com a boca do jacaré kkkkkkkkkkk a platéia inteira riu inclusive eu que soltei a gargalhada, outro momento marcante foi a rádio gargalhada FM me lembro do primeiro ensaio na casa do Dr. Espinafre gente mais eu rachei de rir, vou contar um pouquinho da historia pra vocês.
Foi assim eu achei uma latinha lá na casa do Dr. Espinafre “essas latinhas de extrato de tomate pequenas” ai coloquei ela na boca e dei uma engrossada na voz e falei alô, alô som radio som, teste um dois testando ...
Ai a voz ficou engraçada os doutores caíram na risada, olhamos um pra outro e já estava no ar a rádio gargalhada FM, mais e ai o que que agente iria por no ar músicas ? o que ? Entra a doutora Paty, como o nome já mesmo diz Paty, Patrícia ... Patricinha criamos uma historia onde a Dr. Paty iria ligar para rádio chorando desesperada porque a casa dela caiu, e ela por ser muita rica, luxuosa, poderosa estava se sentindo acabada por não possuir mais nada de valor como móveis da sua casa, suas coisas pessoais, roupas, acessórios etc.
Eu atendo o telefone da rádio fazendo a maior gozação da cara dela, e ela em prantos se desmontando, liga a Dr. Belinha que ouviu o relato dela na rádio e quer fazer umas doações umas roupinhas usadas do tempo do primeiro casamento da mãe dela, a Dr Paty não aceita de maneira alguma – como pode eu uma doutora chique, como eu vou usar roupas do tempo da minha vovozinha, e eu estou do outro lado na maior piada esculachando a cara dela, oferecendo meio quilo de arroz e ela vai se irritando por que o que ela quer é somente ouvir uma musica, depois de muita gozação eu pergunto: Que música a senhora quer ouvir ? ela responde –
Era uma casa ... depois de tanto irritar a Dr. Paty eu coloco a tal música, e o bom é que nossa rádio é ao vivo, entendeu ao vivo! Agente mesmo fala, agente mesmo pede a musica e canta para platéia, para os idosos, para os doentes nos hospitais.






































3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Muido bom mesmo esse projeto... Quem diria que hoje estou fazendo parte desse grande projeto.. Estou adorando muito ser O Dr. Molynna....

    ResponderExcluir
  3. Te desejo sucesso nesta nova empreitada, que é a Ambulância da Alegria, participar desse projeto não é apenas provocar o riso e o sentimento de alegria nas pessoas é além de tudo ter uma responsabilidade social de procurar ajudar o próximo através de um simples olhar, um aperto de mão, um abraço apertado! Parabéns Lukas.

    ResponderExcluir