Caros Leitores

"Sem a curiosidade que me move, que me inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino". A educação precisa tanto de formação técnica e científica, como de sonhos e utopias.
Sejam Bem Vindos!



████████████████████████████████████
████████████████████████████████████
████████████████████████████████████

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

1° Festival de Dança Afro - Brasileira do CAIC

CAIC - Aureliano Joaquim da Silva realizou o 1° Festival de Dança Afro – Brasileira

Aconteceu na noite do dia (28) no Ginásio Poli Esportivo da Escola Municipal Aureliano Joaquim da Silva – CAIC o 1° Festival de Dança Afro – Brasileira promovido pelo Projeto Entre na Roda e “Corpo Negro” Grupo Cultural Afro – Brasileiro.
O evento contou com a presença de autoridades como a do Prefeito Municipal Públio Chaves, Primeira Dama Marilene Chaves, Secretária de Educação Celina Derze, Diretora Geral do CAIC Hilda Muller, Diretora da Escola Marilia Abdulmassih, Diretora Pedagógica Dinair de Andrade, Diretora Administrativa Ana Luiza, Coordenadora do Núcleo de Cultura Débora Azevedo e Coordenadora do Suporte Tecnológico Priscila Albino.
A abertura oficial do festival foi feita pelo Professor Cláudio Costa com o hino da África da Sul: Nkosi sikelel' iAfrika em seguida o coordenador do evento Prof. e Coreografo Gustavo Júnior fez seu pronunciamento, o Congo Filhos da Luz do CAIC veio abrilhantar a noite mostrando a cultura e a religiosidade.
O primeiro grupo a se apresentar foi a Cia de Dança Balagandaia, coordenado pelo professor Jackson Douglas, que trouxe uma expressão baiana através do axé music com ritmos de raizes africanas figurinos e pinturas corporais mostrando varios simbolos da simbologia africana.
Em seguida foi á apresentação do Grupo Arte e Movimento, Coordenado pelas professoras Junelli e Graciela, as coreografias ao som de atabaques mostrou a diversidade das danças afro – brasileiras, os bailarinos muito bem sincronizados e movimentos de base e expressão corporal encantou o publico da escola CAIC.
Na sequencia o Grupo de Hip Hop “Action Crew” Coordenado pelo professor Edilson, mostrou coreografias do movimento Hip Hop que são acontecidas em grandes cidades e na maioria por jovens negros, a coreografia do grupo levou
o publico a reflexão e discussão contra o preconceito racial.
Outro grupo que merece destaque foi a Cia de Ginastica “Equilibrio e Movimento” coordenado pela professora Naiessa, com uma coreografia de agilidade e exercitando o corpo em estilo africano a Cia de Ginastica trouxe um mix de cores africanas saltos, movimentos, flexibilidade, coordenção, equilibrio e controle do corpo.
O “Corpo Negro” Grupo Cultural Afro – Brasileiro encerrou anoite com o Espetáculo: “Heróis do Passado” A História dos Guerreiros Africanos mostrando o resultado do trabalho desenvolvido durante todo o ano de 2009, na escola Aureliano Joaquim da Silva, a proposta foi descobrir as possibilidades de um unico objeto: “O Corpo”. Herois do Passado visou levar ao publico a história do negro desde sua chegada até os dias atuais, embalado por sons, danças, contos levando o verdadeiro sentido da palavra Negro.
O Espetáculo de Dança e Teatro “Heróis do Passado” A História dos Guerreiros Africanos teve a direção do Professor e Coreografo: Gustavo Júnior e Victor Carvalho.
O Coordenador do evento, Prof. Gustavo Júnior disse que a noite da cultura afro – brasileira supriu todas as expectativas, ressaltou ainda que por muito tempo não existia na cidade um evento que de fato divulgasse e difundisse a verdadeira historia da cultura africana. Finalizou agradecendo a Fundação Cultural de Ituiutaba, Fundação Zumbi dos Palmares, Lar Espirita Forças do Bem, Prof. Everson Araujo, Rita de Cássia, Victor Carvalho, Renata Viera, Bruna Franco e Cintia Gomes pela parceria na realização do mesmo.
Luciane Dias Coodenadora Pedagógica do Projeto Entre na Roda, agradeceu a presença do Prefeito Publio Chaves, Primeira Dama Marilene Chaves, Secretaria Celina Derze e toda equipe do CAIC pela partipação no 1° Festival de dança afro – brasileira.



























Video do 1° Festival Afro Espetáculo: "Heróis do Passado" A História dos Guerreiros Africanos.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Vem aí o Primeiro Festival de Dança Afro – Brasileira do CAIC 28/11/2009

A Escola Municipal Aureliano Joaquim da Silva – CAIC, Projeto Entre na Roda e o “Corpo Negro” Grupo Cultural Afro – Brasileiro realizará no próximo dia 28 de novembro o 1° Festival de Dança Afro – Brasileira que acontecerá no Ginásio poli esportivo do CAIC as 18h.
Muitos grupos já efetuaram suas inscrições, mais os grupos de dança que ainda não se escreveram a inscrições vão até o dia 26 de novembro conforme o regulamento. Serão cedidos aos participantes do festival certificados e estatueta de participação, lembrando que os grupos terão que apresentar coreografias de estilo afro – brasileiras. O festival afro não será de nível competitivo.
O professor e coordenador do evento, Gustavo Júnior disse que o 1° festival de dança afro – brasileira será um grande marco para a comunidade da escola CAIC bem como para toda Ituiutaba que terá todo o ano um dia especifico para trabalhar na prática a lei 10.639/03 estamos montando uma estrutura totalmente a rigor para que os nossos convidados sintam de perto a riqueza da nossa cultura africana. O “Corpo Negro” Grupo Cultural Afro – Brasileiro promete emocionar o público, com o espetáculo: “Heróis do Passado” A História dos Guerreiros Africanos que visa contar a historia do negro usando um único objeto: O Corpo.
Luciane Dias, Coordenadora do Projeto Entre na Roda disse “estamos ao longo do ano inteiro fazendo varias mobilizações referentes a cultura afro – brasileira o CAIC, é uma escola que há uma pluralidade cultural riquíssima o 1° festival traz como proposta não só um momento de prazer com nossos alunos, mas também constitui os conhecimentos de origem, referencia africana, ritmos, rituais, historias, música e a própria diversidade cultural”
A supervisora do Projeto Entre na Roda/ Corpo Negro, Beatriz Menezes ressaltou que as inscrições podem ser feitas de segunda a sexta no período vespertino ou na terça – feira no período matutino com o professor Gustavo Júnior, podendo se escrever grupos, escolas e academias.










sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Projeto PEAS Extensão Capinópolis – MG leva o público ao delírio com a peça teatral: Sonhos da Vida Real.

Com o tema: Mundo do trabalho e perspectiva de vida os alunos da Escola Estadual Governador Juscelino da cidade de Capinópolis – MG levou toda a platéia ao grande delírio um êxtase de emoções.
Ao longo de 4 meses o Projeto GDPEAS que tem o objetivo de: Promover o desenvolvimento pessoal e social de jovens de escolas estaduais, por meio de ações de caráter educativo e participativo, focalizada nas questões relacionadas à afetividade e sexualidade, juventude e cidadania, mundo do trabalho e perspectiva de vida, tendo o protagonismo como eixo norteador das ações.
Os alunos tiveram conhecimento teórico e pratico das oficinas interdisciplinares de teatro e dança, executando exercícios de: Percussão Corporal, Dramatização Teatral, Leituras Contos e Fábulas, Postação de Voz, Seqüência Rítmica, Expressão Corporal, Lateralidade, Percepção Espacial, Desenvolvimento Corporal e artístico entre outros.
Para mim “Gustavo Júnior” desde o primeiro contato com os alunos dessa escola e com toda a equipe que esteve por traz de projeto em especial a Coordenadora Sônia, eu nunca tive dúvida do tamanho sucesso que seria à apresentação da peça: Sonhos da Vida Real, foi sensacional mais essa experiência na minha vida, meu coração enche de alegria por perceber que eu consegui de fato passar para os meus alunos o principal objetivo da arte que na minha opinião é: “A TRANSFORMAÇÃO” a cultura, arte tem
objetivo de transformar, modificar acrescentar algo positivo que faça o aluno enxergar um mundo e caminhos diferente para sua vida.
Essa peça foi baseada na vida real dos alunos onde fizemos laboratórios conhecendo de perto a realidade de vida de cada criança e jovem que compunha o corpo do espetáculo: Sonhos da Vida Real.
No primeiro ato contamos um pouco da ganância de certas pessoas por achar que o dinheiro compra tudo, alimenta o mundo, com o personagem CAPITAL – aquele que se acha o maioral, universal, aquele que não acredita em valores, dignidade respeito com o próximo e a si mesmo, ele briga com outro personagem o TRABALHO – aquele digno de tudo que possui, pois todos os seus bens é fruto do seu próprio suor, totalmente contrário do Capital que se acha universal por estar em Tókio, Nova York, por ter o poder de quebrar todas as bolsas de valores. COOPERATIVISMO entra em cena para celebrar a paz entre o dois, para unir e mostrar que ambos depende um do outro, sem trabalho não há dinheiro e sem dinheiro não há trabalho mesmo que seja o mais sujo que for, esse primeiro ato tenta levar a platéia a mera reflexão de que ter dinheiro não basta, precisa ter humildade, ética, caráter e moral.
O Segundo ato foi sublime o público presente foi tocado varias vezes por grandes emoções, iniciamos mostrando o trabalho no campo, nas lavouras, a vida dos trabalhadores rurais, lavadeiras, plantadoras e foquei também o trabalho domiciliar com garotas ainda jovens.
Desperta o desejo em um trabalhador rural ainda jovem de ir jogar futebol e ser reconhecido por todo país, ele contracena com sua mãe uma lavadeira sem estudos e sem objetivo de vida que tenta convencer o jovem a desistir dessa idéia de se tornar um grande jogador de futebol, ele não segue os conselhos de sua mãe e vai atrás de seus sonhos. A lavadeira cuida de 1 casal de filhos sozinha! sem o apoio do pai, ela dúvida que ele chegue ao menos na porteira da pequena fazenda que eles moram, duvida da sua capacidade, mas é surpreendida pois ele segue rumo ao seu sonhos. Nesse leque de sonhos ele inspira sua irmã, uma garota de 15 anos que cuida de casa enquanto sua mãe lava roupas em outras fazendas, arruma, lava, passa, varre, cuida de 8 passarinhos e reclama do cocô do cachorro, a se tornar uma grande modelo uma pessoa de sucesso que brilha no mundo da moda, então sua mãe fica maluca com a perda dos dois filhos que tiveram essa idéia maluca de sair de uma cidadezinha e ir em busca de seus sonhos em São Paulo, ela vai atrás do seu irmão encontra – o a tempo, passam por grandes dificuldades, sofrimentos, e até fome. A coreografia que os incentiva a lutar entra em palco, todos de branco trazendo força, garra e perseverança, após tanto sofrimento eles lutam, estudam, até conseguir se tornar um grande jogador de futebol, e uma excelentíssima e brilhante Top Model. Belíssima obra! Vamos nos preparar para as próximas que virão.