Caros Leitores

"Sem a curiosidade que me move, que me inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino". A educação precisa tanto de formação técnica e científica, como de sonhos e utopias.
Sejam Bem Vindos!



████████████████████████████████████
████████████████████████████████████
████████████████████████████████████

sábado, 21 de agosto de 2010

EQUIPE DO PROJETO ENTRE NA RODA NO IV ENESCPOP DE UBERLÂNDIA

O Projeto Entre na roda que é realizado no CAIC Aureliano Joaquim da Silva – Ituiutaba (MG), realizou no último dia 14 de agosto de 2010, apresentação de trabalho no IV Encontro Nacional de Educação, Saúde e Culturas Populares – Conquistas Históricas e Novos Saberes – ENESCPOP, na cidade de Uberlândia (MG) com o tema “Cultura Afro Ações Sócio Educativas.


A viagem foi promovida pela FACIP/UFU, participaram do evento: Luciane Dias, coordenadora do Projeto durante o ano de 2009 e o primeiro semestre de 2010, atualmente, professora da UFU, alguns alunos e mães e equipe do CAIC: Beatriz Oliveira Menezes (Supervisora e Professora), Dinair Caldeira de Andrade Silva (Diretora Pedagógica), Gustavo Júnior (Professor e Coreógrafo), Maria Aparecida Marques Professora), Maria Madalena da Silva (Professora), Mariana Cristina Marques Moraes (Assistente de Informática) e Patrícia Mendes Tomaz (Professora). Após a apresentação dos trabalhos, houve a participação no cortejo, onde há uma mostra final da diversidade cultural aos presentes.

Após a apresentação dos trabalhos, houve a participação no cortejo, onde há uma mostra final da diversidade cultural aos presentes.
O Projeto “Entre na Roda”, compõe ações sócio educativas baseadas na cultura afro-brasileira, acontece em extra turno e é destinado a crianças, adolescentes e comunidade em geral.

São três os subprojetos: “Corpo Negro” Grupo Cultural Afro-brasileiro, coordenado pelo professor e coreógrafo Gustavo Júnior, Capoeira Angola N’Golo, coordenado pelo professor João Antonio Alves e Terno de Congo “Filhos da Luz”, coordenado pelo professor William Cândido.
O “Corpo Negro” Grupo Cultural Afro-brasileiro, utiliza a dança afro como veículo para transmissão da história do negro no Brasil, buscando resgate identitário e elevação da auto-estima dos participantes através da dança.

O Projeto N’Golo promove atividade física através da Capoeira Angola, introduzindo conceitos da cultura afro-brasileira.
Já o Terno de Congo “Filhos da Luz” Resgata a cultura conga dentro do cotidiano escolar possibilitando o diálogo entre cultura e educação, favorecendo o conhecimento das tradições afro-brasileiras e o desenvolvimento da auto-estima em crianças.
Toda essa diversidade de ações, seus contextos históricos e sociais, tempos e espaços, ocorrem para que a Implementação da Lei 10.639/03, seja uma realidade nos currículos escolares, garantindo sua legitimidade e educação de qualidade ao público atendido.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Deu início a segunda etapa dos mini cursos do Programa PEAS na Escola Estadual Israel Pinheiro


Iniciou nessa ultima terça – feira 17 na Escola Estadual Israel Pinheiro a segunda etapa dos mini cursos de teatro e dança do Programa de Educação Afetivo Sexual – PEAS.
Nesses dois meses em que estão acontecendo as aulas do Programa PEAS a coordenação do projeto concluiu que a primeira etapa foi desenvolvida com sucesso, uma vez que os alunos participaram efetivamente da formação inicial através da sensibilização, vínculos de: comunicação, cooperação, desenvolvimento de habilidades e competências (talentos), liderança partilhada, confiança, mecanismo de regulação e estabelecimento dos vínculos afetivos.



O professor do Programa de Educação Afetivo Sexual da Escola Estadual Israel Pinheiro, Gustavo Júnior disse estar satisfeito com a implementação das primeiras ações acontecidas, são cerca de 30 adolescentes e jovens protagonistas do GDPEAS que em um futuro breve poderá repassar os recursos adquiridos nos mini cursos aos demais alunos da escola.
O professor Gustavo Júnior ressaltou ainda que os novos tempos exigem mudanças, que serão alcançadas através do comprometimento e energia que levam à ação. Para isso precisamos de pessoas mais ativas, capazes de transformar a si mesmas e a realidade, usando a força grupal para construírem os seus caminhos!
A coordenadora do PEAS professora Paula, acredita em confia no trabalho realizado até o momento e percebe as mudanças ocorridas em torno da escola através destes mini cursos, entendemos o efetivo diálogo entre diferentes olhares, espaços e tempos sociais e, uma efetiva ação baseada na solidariedade e na comunhão de objetos e valores. A cooperação é promotora de redes de fazeres e saberes que contribuem para o crescimento do grupo e emancipação social dos seus participantes, permitindo a invenção coletiva de um novo espaço de convivência, afirmou Paula.