Caros Leitores

"Sem a curiosidade que me move, que me inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino". A educação precisa tanto de formação técnica e científica, como de sonhos e utopias.
Sejam Bem Vindos!



████████████████████████████████████
████████████████████████████████████
████████████████████████████████████

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Coco "Uma Dança de Roda"

O Coco também é chamado "bambelô" ou "zamba". É um folguedo dançado na região praiana do Norte e do Nordeste, sobretudo em Alagoas. É uma dança de roda ou de fileiras mistas, de conjunto, de pares, que vão ao centro e desenvolvem movimentos ritmados, tendo como destaque o passo da umbigada que, ao ser realizado, anuncia a entrada de outros solistas no círculo. A percussão tem destacada presença na música da dança e é normalmente acompanhada por palmas e sapateados, hoje realizados com tamancos para imitar o barulho dos cocos quebrando.
Sua origem é bastante discutida, há quem afirme que aqui tenha chegado na
bagagem dos escravos africanos e há quem defenda a teoria de que ela seja o produto do encontro da raça negra com o nativo local. Conta-se a história que os negros para aliviar as dores do trabalho de quebrar os cocos secos com os pés e embalados pelo barulho que faziam, cantavam e dançavam.Apesar de mais freqüente no litoral, acredita-se que o Coco tenha surgido no
interior de Alagoas, provavelmente no Quilombo dos Palmares, onde se misturavam escravos índios com africanos, no início da vida social brasileira (época colonial). A dança do Coco continua sendo a expressão de desabafo da alma popular, da gente mais sofrida do Nordeste brasileiro.
O Coco, a exemplo de outras danças tipicamente brasileiras, apresenta grandes variedades de formas.
Variadas são as modalidades, conforme o texto poético, a coreografia, o local e o instrumento de música. Os “Coco solto”, “Quadras”, “Embolada”, “Coco de entrega”, “Coco dez pés”, são referidos pela métrica literária.

Muitos deles caíram em desuso, por causa das influências culturais urbanas e da repressão das
autoridades (há um grau de erotismo embutido nas danças), mas ainda são praticados nas festas
juninas. Um dos Cocos mais populares é o de embolada, que se caracteriza pelas curtas frases
melódias repetidas várias vezes em cadência acelerada, com textos satíricos (quase sempre
improvisados, em clima de desafio) onde o que importa é não perder a rima. O Coco possui dois ritmos distintos, o "tropé" ou "tropel", que é um sapateado vigoroso, marcado pelos pés descalços ou tamancos pesados e que se ajusta àquele executado nos instrumentos musicais. A umbigada está presente em muitas variantes.As canções variam de acordo com região, que enriquece o repertório.
O Coco é um folguedo do ciclo junino, que é dançado também em outras épocas do ano.


Copia e Cola no navegador o link abaixo referente a Dança do Coco e veja o video:
http://www.youtube.com/watch?v=sR3ntcSXZuY&feature=related








4 comentários:

  1. Imagens legais cara!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. show, amei seu trabalho me ajudou meito, cara.
    Continue assim...

    ResponderExcluir
  3. Olá, sou professora e estou trabalhando esse ano com os meus alunos "o coco". Abordaremos tudo, o alimento, a música, etc.
    Estou atrás de um roteiro onde os alunos possam vivenciar. Voce teria alguma sugestão de roteiro? Pode ser focando a dança.

    ResponderExcluir
  4. Ah, se sim me envia por e-mail por favor. cibelle_ferreira13@hotmail.com

    ResponderExcluir