Caros Leitores

"Sem a curiosidade que me move, que me inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino". A educação precisa tanto de formação técnica e científica, como de sonhos e utopias.
Sejam Bem Vindos!



████████████████████████████████████
████████████████████████████████████
████████████████████████████████████

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

II Festival de Dança Afro - Brasileira do CAIC

Na noite do dia 27 de novembro, a quadra poli esportiva do CAIC foi palco do II Festival de dança afro – brasileira, evento idealizado pelo Projeto “Corpo Negro” Grupo Cultural Afro – Brasileiro/Sub Programa de Mobilização Projeto Entre na Roda.
Ao longo desses dois anos trabalhando com os alunos do “Corpo Negro” Grupo Cultural Afro – Brasileiro, finalizo esta etapa com a certeza de dever cumprido, no decorrer das aulas percebi como aprendi com os meus alunos, poderia aqui dizer que mais aprendi do que ensinei, quando via os olhos dos alunos brilhar com os meus ensinamentos, por tantas vezes que ouvi: “Professor você é o melhor”, “Quando eu crescer quero ser igual a você”, “Você ensina, com a linguagem da alma” frases como essas que escutei dos meus alunos e que ficarão gravadas para sempre na minha mente e guardadas no meu coração ...


A Ultima Apresentação do Festival Afro “com o Corpo Negro integrado ao CAIC” ...
Na verdade nessa apresentação a minha proposta era unir a minha despedida enquanto coreografo do grupo, o estilo contemporâneo da dança africana e suas matrizes culturais com um tom de alegria, paz, serenidade e harmonia além de pincelar na coreografia o lado lúdico de ser criança. Para isso o primeiro passo foi buscar a cor do figurino e nada melhor que a cor “branca” para identificar aquilo que eu gostaria de mostrar ao público presente. Como efeito usamos o papel picado, onde os próprios integrantes do “Corpo Negro” picaram os papéis e jogaram para cima na coreografia de abertura “Pérola Negra”.



O que eu senti quando vi os alunos do “Corpo Negro” apresentar no II Festival de dança afro – brasileira do CAIC?
Primeiramente antes de responder tenho que dizer que os integrantes do grupo só ficaram sabendo da minha saída no dia do festival, ou seja no ultimo ensaio quando ali eu sentei todos em círculo e expliquei os motivos pelo qual estava saindo, foi um momento também de despedida.
Ah... o que eu senti no momento da apresentação??? Noooossa na verdade na minha cabeça veio um flash back!!! fui lembrando de todas as ações culturais e educativas, realizadas com esses alunos se pudesse definir em uma palavra o que senti ... a palavra seria (realização).
Porque você escolheu as músicas Shimbalaiê e Deixa a Vida Me Levar?
Para responder essa pergunta poderia pegar as próprias letras, elas falam por si só ...
Shimbalaiê:
Pensamento tão livre quanto o céu
Imagino um barco de papel
Indo embora pra não mais voltar
Tendo como guia Iemanjá

Ser capitã desse mundo
Poder rodar sem fronteiras
Viver um ano em segundos
Não achar sonhos besteira
Me encantar com um livro, que fale sobre vaidade
Quando mentir for preciso, poder falar a verdade

Deixa a Vida Me Levar:
Sou Feliz e agradeço por tudo que Deus me deu!


Agradecimentos
Gostaria aqui de agradecer a todos que estiveram ao longo desses dois anos acompanhando de perto as atividades desenvolvidas pelo “Corpo Negro” Grupo Cultural Afro – Brasileiro do CAIC, agradecer aqueles que acreditaram no potencial desse grupo, que com certeza fez a diferença na história da Escola Municipal Aureliano Joaquim da Silva - CAIC, quando vejo nos olhos dos alunos a vontade de continuar, de não parar, de seguir em frente, gosto muito de uma frase do Psiquiatra e autor Augusto Cury que diz assim: “Quem ama seu mestre ama a matéria que ele ensina, quem não ama seu professor dificilmente amará suas idéias”. Assim foi o trabalho com os alunos do Corpo Negro, um trabalho que vai além da educação formal, laços afetivos que levarei para sempre na certeza de um trabalho bem feito, de dever cumprido e a resposta veio para todos que estiveram presentes no II Festival de dança afro – brasileira do CAIC.
E como já dizia os poetas: Sigamos sorrindo alegres com a nossa cultura, nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá.
Obrigado!!!
Gustavo Júnior

Nenhum comentário:

Postar um comentário